segunda-feira, 31 de março de 2008

Recado de Fernando Barbosa



Fernando Barbosa, o fotógrafo poeta, ator e autor teatral, comunica-nos seu enlace , pelo que enviamos nossos votos de felicidades .Parabéns .
Ele comenta de uma chuva de poesias em 1985.
Bom registrarmos o precedente,pois as normas municipais aqui em Belo Horizonte, segundo a Poeta que gentilmente se oferecera para conseguir essa parte,travaram a realização plena.
No entanto, permanece a metáfora, pois relamente, "choveu poesia",embora não de tão alto...
Fernando criou banners para usarmos durante o período de organização, com a solidariedade de sempre.

Clevane Pessoa de Araújo Lopes.


Espaço Cultural Casa do Fernando
para clevane

mostrar detalhes
00:14 (12 minutos atrás)




Olá Clevane!

Mais uma vez parabéns por tudo e por toda essa mobilização incansável que todos vocês
realizaram pela Poesia e pela Paz.

É gratificante quando não medimos esforços para fazer história, num mundo onde a maioria das pessoas só sabem criticar.
Ainda sim vocês acenderam uma vela mostrando aos demais o que pessoas criativas e dedicadas a sua arte podem fazer pela cultura e pelo seu povo.

"Sonho que se sonha sozinho, é só um sonho.
Sonho que se sonha junto é realidade"

Os sonhos não envelhecessem e isso é uma das poucas coisas que ainda me mantém acreditando que não há noite tão longa que não encontre o dia.

Você me fez inclusive lembrar que em 1982... quando trabalhava no jornal o Cometa Itabirano, fomos matéria na Revista Veja... quando Carlos Drummond de Andrade completou 80 anos.
Nessa ocasião eu dei a idéia de virmos aqui em BH e alugamos um teco teco aqui no extinto Aeroporto do Carlos Prates e fizemos sim chover literalmente poesia de Drummond no céu de Itabira em homenagem ao poeta... causando assim repercussão nacional.

Foi um inesquecível momento e que com certeza vocês conseguiram
ainda agendar essa idéia para o próximo Poesia e Paz.

Por incrível que pareça dia 22 de março eu me casei com uma
garota m a r a v i l h o s a , muito responsável e que é uma missionária, entre outra atividade profissional que desenvolve.
Apesar de muito nova já desponta sinais de uma vida brilhante em se tratando de estarmos agora pensando em ajustarmos nossas vidas e quem sabe ir para a África e lá prestar nossa solidariedade a um povo que ainda entre outras necessidades, necessitam de muito carinho e afeto.

Em outro momento te falarei mais sobre meu casamento, mas o que sei é que estou renunciando a muita coisa que estava realmente me fazendo esquecer de mim e dos meus verdadeiros ideais, mas que agora já passo a me sentir renovado e sinto sim que ainda tenho muito o que aprender, a desenvolver e a levar informações a populações mais carentes... afinal... o Brasil é muito grande e pretendo agora sair um pouco desse circuito de Belo Horizonte, afinal... nada como respirar novos ares e voltar renovado se essa for a vontade de Deus.

Estou em estado de graça com essa nova fase, com essa garota que realmente só a encontrava nos versos do Gibran, mas que se tornou uma realidade em minha vida.

Agradeço profundamente a todos em especial a você Clevane Pessoa e a Andreia Donadon que sempre estão me estimulando por citarem o meu nome e o nome do Espaço Cultural Casa do Fernando... que esta aqui sendo ocupado pela Cia Forte de Teatro e que antes de viajar irei sim comemorar o nosso 5º Aniversário e disso eu não abro mão mesmo.

Tudo de bom!

Saúde Paz Poesia e mais uma vez os
meus sinceros parabéns e muito obrigado por tudo.


" Reflito muito e de modo especial, pela minha singularidade.
Sou um ser humano verdadeiro, simples, afetivo, solidário,
ético e, dessa forma, profundamente comprometido
com o outro, sejam pessoas ou povos,
próximos ou anônimos. "

Abraços,

Fernando Barbosa e Silva


clevane pessoa dearaújolopes escreveu:
- Mostrar texto das mensagens anteriores -

http://poetaspoesiaepaz.blogspot.com/

Segunda-feira, 31 de Março de 2008
POETAS PELA PAZ E PELA POESIA ( I )

PAZ E POESIA

Foi emocionante constatar a verdade dos versos de Raul Seixas:

"Sonho que se sonha sozinho, é só um sonho.
Sonho que se sonha junto é realidade"

Os poetas de Belo Horizonte agregaram à sementinha de minha idéia de celebrar a PAZ com poemas e origamis (*), novas idéias e o totem poético foi crescendo,Claudio Márcio Barbosa,além pensar numa "Chuva de Poesia"pensou na distribuição de livros embrulhados para presente, que seriam doados aos artesão e artistas da feira de artesanato, da Av.Afonso Pena.Pois março, além de celebrar a mulher e a poesia, também festeja o artesão.

Marco Llobus sugeriu que os poetas subissem a Rua da Bahia.Pensamos num sarau aberto, outras sugestões, reuniões, trabalho em comum, de Bilás Bernardes e eu que fomos à Fundação Municipal de Cultura solicitar espaço para o recolhimento de livros , a Ângela Togeiro, que solicitava livros às Poetas das academias das quais faz parte, a Brenda Marques, embora às vésperas de uma performance na Lagoa do nado em homengem às mulheres,de um concurso na Assembléia, a Silvia Araújo Motta, que queria faixas e ficara encarregada de obter licença para o sobrevôo de um helicóptero, mas esbarrou nos entraves burocráticos, na leis, a Tânia, filha de Bilá, que abriu um e-mail de grupo, para recebermos os poemas e nos comunicarmos mais especificamente, a Leo Santana que filmou tudo no dia e doou dezenas e dezenas de seus livros de poesia.Marco Llobus fotografou.Este, diagramou os poemas de quatro em quatro.Trabalhou além do prazo.

Cento e cinquenta e dois poetas do Brasil e do Mundo mandaram dois poemas,
Um de cada foi impresso.Espermaos colocar dois na antologia histórica.
mandava-me para revisá-los.Depois de tudo pronto, a gráfica pediu os poemas diagramados um a um.Nova formatação e revisão.Agregados à emoção de ir abrindo os e-mails e descobrindo poemas e poetas, de todos os gêneros poéticos.Homenageei a trova-onde comecei a poetizar a vida e completei com um haikai.Llobus homenageou D.Joana Guiga, que há dias, completara seu tempo aqui na Terra...


Semana de agenda cheia, a casa brecha de tempos, postarei alguns dos poemas e seus autores.
Alguns, por motivos de força maior, não estiveram em todas as reuniões,mas tivemos Rosa Negra, Marcia Cristina Simões,Zé Ênio (do UNIAC), Ricardo Evangelista ,coordenador dos saraus de poesia da Lagoa do Nado(Centro de Cultura),que doou páginas de poemas do seu "Embornal de Sons",que ele chama de "refugo da gráfica", na verdade, um luxo.

Claudio Márcio recolheu os poemas,fizemos um mutirão, onde Juan Fiorini agregou-se a Ana Alcântara e nós (Claudio, Ângela Togeiro, que catalogou os livros doados por título e autor,Léo, Ênio,Bilá, para embalar os livros.Claudio havia nos mostrado - contentes ficamos - o alvará para a ação na feira de artesanto, devidamente carimbada, assinada e selada.Silvia Motta, depois de enfrentar maratona burocrática,
mostrou seu desapontamento porque tinha vontade de colocar faixa e obter a autorização para o helicóptero sobrevoar a feira.
No entanto, a metáfora, aconteceria, conforme aconteceu.
Maravilhosa distribuição :PAZ e POESIA...

Vários poetas reuniram-se desde as 9h, no antigo abrigo de bondes (esquina da Av.Afonso Pena com Rua da Bahia_: Claudio Márcio Barbosa, Graça Campos,Wagner Torres e a filha Luana Dandara, Bilá Bernardes e a filha Tânia, Rogério Salgado e Virgilene Araújo, Heleide, Almira, Regina Mello,Marco Llobus,Maurício,Terezinha Romão,Ana Alcântara,Marco Aurélio Lisboa, Ricardo Evangelista e Sueli Silva, Neuza Maria Ladeira,Juan Fiorini, Ângela Togeiro e eu, depois chegaram outros, Tânia Diniz e a filha poeta Carol...Vou listar todos e depois publicarei a lista completa.

A foto , depois que os poetas escreveram versos uns nos outros.
Segundo Claudio Márcio, o ,momemto mais bonito.
Eu gostei muito de conversar com os artesãos e artistas.Pedi que cada um dos participantes, me mande sua impressão, para colocar aqui.

PAZ e POESIA:

30032008- uma data histórica para os poetas...E vamos repetír a CHUVA DE POESIA.Metáfora de número e emoção.Ou, quem sabe, um dia, uma chuva do alto?

Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Diretora regional do InBRasCI em BH/MG

Agradecimentos especiais aos parceiros e divulgadores, devidamente constantes no versos dos poemas e, em especial, à Gráfica editora O LUTADOR que imprimiu em papel couché nossos filhos em versos.


Clevane Pessoa de Araújo Lopes ( * )
Embaixadora Universal da Paz (Cercle des Les Embassadeurs de la paix,-Genebra, Suiça)
Diretora Regional do InBrasCi em Belo Horizonte

Poeta del Mundo Z-C em BH/MG

Patrona da AVSPE

Delegada Da ALPAS XXI, por MG e Bahia.

Membro da Academia de Trovas do RN desde 1968

Membro da Academia Dorense de Letras

Representante em MG do Movimento Cultural aBrace /Uruguai Brasil

( * ) A menção de algumas entidades às quais pertenço, são em homenagem e agradecimento .











Postado por Clevane Pessoa e Outras pessoas às 16:15 0





Visite!
http://fernandobarbosaesilva.arteblog.com.br
http://fbarbosaesilva.multiply.com
http://fernandobarbosa.slide.com
Fernando Barbosa e Silva
Repórter Fotográfico
Belo Horizonte-MG

E...Choveu poesia em Belo Horizonte-.Em 30032008:poetas pela Paz e pela Poesia



Poetas fazem chover poemas sobre os autores do passado, sempre presentes na capital mineira .
Na foto, de Llobus, "Os Quatro cavaleiros do Apocalípse": Fernando Sabino, Otto Lara Resende, Hélio Pellegrino e Paulo Mendes Campos e os poetas integrantes do PAZ e POESIA que teve lugar em 30032008.

Distribuídos mil e duzentos livros embrulhados para presente, na feira de artesanato e 125 000 poemas ,impressos em papel couché, num presente da Gráfica editora "O Lutador",desta capital.

Paz e Poesia ( 4 ):Sarau a Céu Aberto, distribuição de poemas no semáforo.




Fotos:Terezinha Romão declama, na ciranda musical oferecida pela cantora e compositora Sueli Silva, mineira de arcos e seu marido o sociólogo-poeta Ricardo Evangelista (Coordenador dos Saraus de Poesia da Lagoa do Nado - foco de beleza natural e cultura, um pulmão verde...).Da direita para a esquerda, dançam Heleide,Jaques Franco.Também Bilá Bernardes,Rosa negra, Kólia,aparecem na foto.

Esse evento reuniu uma boa quantidade de Poetas del Mundo, Cônsules da entidade,muitos afiliados à Rede Catitu(presidida por Marco Llobus,o poeta-fotógrafo que fez essas tomadas,entre outros, de várias entidades:MUNAP, UNIAC,InBRasCI/MG,aBrace, Imersão Latina,APPERJ, Proyecto SUR,Alô Vida, Restaurante D.Preta,ABDIC, Jornal Grito Cidadão,AVSPE,Portal Vãnia diniz,Jornal Aldrava, Aldrava letras e artes,.Coro coletivo,Plurartes,Associação guatá, Revista Nota independente,ACLACL e tantos parceiros ou divulgadores que nos apoiaram e que iremos listando aos poucos.

Nada foi vendido, nada comprado, exceto canetinhas para escrever em tecido e a prórpias camisetas.

Os 1200 livros foram doados e a renomadaGráfica editora O LUTADOR,imprimiu os 152 000 poemas de todas as partes dos brasis e do mundo, enviados pelos pps poetas (condição sine qua non).

PAZ E POESIA (3 )




Na foto, um poeta,Leo Santana,conosco da organização do evento,filma todos os poetas.Nesse flash, do fotógrafo e Poeta marco llobus, vemos a cantora e compositora Sueli Silva (esposa de ricardo Enagelista ,que com ele faz o show "Poetas Quae sera tamen, a ser paresentado em natal, no espetáculo "Poetas Quae Sera tamen" escrevendo em Neuza Ladeira,que escreve na poetisa e declamadora Terezinha Romão.

Por isso, eu (e outros, qual a Heloneida Studart), queremos que o gerúndio-o tempo dos poetas- não seja confunbdido com o "gerundismo".Nesse momento fotografado, todos nós estamos no gerundio.Acontecendo, fazendo, escrevendo, poetizando, falando...S*E*N*D*O : P*A*Z E P*O*E*S*I*A

POETAS PELA PAZ E PELA POESIA (I )


PAZ E POESIA

Foi emocionante constatar a verdade dos versos de Raul Seixas:

"Sonho que se sonha sozinho, é só um sonho.
Sonho que se sonha junto é realidade"

Os poetas de Belo Horizonte agregaram à sementinha de minha idéia de celebrar a PAZ com poemas e origamis (*), novas idéias e o totem poético foi crescendo,Claudio Márcio Barbosa,além pensar numa "Chuva de Poesia"pensou na distribuição de livros embrulhados para presente, que seriam doados aos artesão e artistas da feira de artesanato, da Av.Afonso Pena.Pois março, além de celebrar a mulher e a poesia, também festeja o artesão.

Marco Llobus sugeriu que os poetas subissem a Rua da Bahia.Pensamos num sarau aberto, outras sugestões, reuniões, trabalho em comum, de Bilás Bernardes e eu que fomos à Fundação Municipal de Cultura solicitar espaço para o recolhimento de livros , a Ângela Togeiro, que solicitava livros às Poetas das academias das quais faz parte, a Brenda Marques, embora às vésperas de uma performance na Lagoa do nado em homengem às mulheres,de um concurso na Assembléia, a Silvia Araújo Motta, que queria faixas e ficara encarregada de obter licença para o sobrevôo de um helicóptero, mas esbarrou nos entraves burocráticos, na leis, a Tânia, filha de Bilá, que abriu um e-mail de grupo, para recebermos os poemas e nos comunicarmos mais especificamente, a Leo Santana que filmou tudo no dia e doou dezenas e dezenas de seus livros de poesia.Marco Llobus fotografou.Este, diagramou os poemas de quatro em quatro.Trabalhou além do prazo.

Cento e cinquenta e dois poetas do Brasil e do Mundo mandaram dois poemas,
Um de cada foi impresso.Espermaos colocar dois na antologia histórica.
mandava-me para revisá-los.Depois de tudo pronto, a gráfica pediu os poemas diagramados um a um.Nova formatação e revisão.Agregados à emoção de ir abrindo os e-mails e descobrindo poemas e poetas, de todos os gêneros poéticos.Homenageei a trova-onde comecei a poetizar a vida e completei com um haikai.Llobus homenageou D.Joana Guiga, que há dias, completara seu tempo aqui na Terra...


Semana de agenda cheia, a casa brecha de tempos, postarei alguns dos poemas e seus autores.
Alguns, por motivos de força maior, não estiveram em todas as reuniões,mas tivemos Rosa Negra, Marcia Cristina Simões,Zé Ênio (do UNIAC), Ricardo Evangelista ,coordenador dos saraus de poesia da Lagoa do Nado(Centro de Cultura),que doou páginas de poemas do seu "Embornal de Sons",que ele chama de "refugo da gráfica", na verdade, um luxo.

Claudio Márcio recolheu os poemas,fizemos um mutirão, onde Juan Fiorini agregou-se a Ana Alcântara e nós (Claudio, Ângela Togeiro, que catalogou os livros doados por título e autor,Léo, Ênio,Bilá, para embalar os livros.Claudio havia nos mostrado - contentes ficamos - o alvará para a ação na feira de artesanto, devidamente carimbada, assinada e selada.Silvia Motta, depois de enfrentar maratona burocrática,
mostrou seu desapontamento porque tinha vontade de colocar faixa e obter a autorização para o helicóptero sobrevoar a feira.
No entanto, a metáfora, aconteceria, conforme aconteceu.
Maravilhosa distribuição :PAZ e POESIA...

Vários poetas reuniram-se desde as 9h, no antigo abrigo de bondes (esquina da Av.Afonso Pena com Rua da Bahia: Claudio Márcio Barbosa, Graça Campos,Wagner Torres e a filha Luana Dandara, Bilá Bernardes e a filha Tânia, Rogério Salgado e Virgilene Araújo, Heleide, Almira, Regina Mello,Maurício,Terezinha Romão,Ana Alcântara,Marco Aurélio Lisboa, Ricardo Evangelista e Sueli Silva, Neuza Maria Ladeira,Juan Fiorini, Ângela Togeiro e eu, depois chegaram outros, Tânia Diniz e a filha poeta Carol...Vou listar todos e depois publicarei a lista completa.

A foto , depois que os poetas escreveram versos uns nos outros.
Segundo Claudio Márcio, o ,momemto mais bonito.
Eu gostei muito de conversar com os artesãos e artistas.Pedi que cada um dos participantes, me mande sua impressão, para colocar aqui.

PAZ e POESIA:

30032008- uma data histórica para os poetas...E vamos repetír a CHUVA DE POESIA.Metáfora de número e emoção.Ou, quem sabe, um dia, uma chuva do alto?

Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Diretora regional do InBRasCI em BH/MG

Agradecimentos especiais aos parceiros e divulgadores, devidamente constantes no versos dos poemas e, em especial, à Gráfica editora O LUTADOR que imprimiu em papel couché nossos filhos em versos.

Poetas e Poesias ,sobre SER POETA




Tela:"Lilases",da poeta e pintora Graça Campos, de Belo Horizonte, MG

Várias opiniões de bardos, em 2003 - republicação.



Poetas e Poesias ,sobre SER POETA


Poeta que é Poeta
© Celso Brasil



Poeta que é Poeta

Poetiza sem parar

Poetiza na Cozinha

No banheiro ou no bar.



Está sempre poetando

E gosta de conjugar.

Conjuga somente um verbo

E o verbo é Poetar.



O Poeta de verdade

Não tem hora nem lugar

É de noite ou de dia

É no sol ou no luar.



Sua amante é a Poesia

Sua rima nunca falta

Fazer verso é sua mania

O silêncio não o assalta.



Poeta gosta de mata,

Praia ou lindas paisagens.

Não troca isso por nada,

Porque inspira à poetagem.



Nunca é tarde, nunca é cedo

Sempre é hora ou lugar,

Porque o importante mesmo

É estar sempre a poetar.



O Poeta é um abençoado

Enfrenta tudo com euforia

DEUS está sempre ao seu lado

E sua arma é a Poesia.



Poeta reza sempre

Sempre está em comunhão,

Porque poeta entende

Que Poesia é uma oração.



Se tem briga ou intriga

Poeta não fica não

Se tem coisa que não rima

É Poesia e confusão.



Mas se lhe falta o amor

Sua alma vai chorar

E a poesia se encarrega

De tristeza demonstrar.



Poetando na alegria

A Poesia é um cantar.

Poetando na tristeza

É verso a lacrimejar.



Mesmo triste o verso é lindo

Sua beleza sempre sai

O verbo rima e vai indo

E o Poeta nunca cai.



Ninguém sabe que é isto

Chora e ri em sua poesia

Só se sabe que é bonito

É tristeza mas com alegria.



Poeta viaja muito

Nunca está em um lugar.

Está em Marte num minuto,

No outro, Lua é seu lar.



Poeta nunca se esconde.

Ele é fácil de se achar.

Achar o Poeta onde?

Onde estão a poetar.



O Poeta ama muito!

Mulher é sua paixão!

Para cada rosto lindo

Faz um verso em confissão.



O Poeta é um sábio!

Pega tudo e faz Poesia.

Do dedão até os lábios

Rima tudo em cantoria.



Poeta não se controla

Sempre pena no papel

Se faltar os dois na hora

Ele escreve até no céu.



Sua pena nunca pára

Sua cabeça é um avião

Fazer verso é sua tara,

Poeta não pára não.



Um dia vem a morte,

Querendo o Poeta levar.

Mas Poesia nunca morre

... Poeta é ressuscitar.



Celso Brasil ©

21/Nov/2002

----------------------------------
Celso Brasil -

----------------------------------
Poesia é quando o coração canta,
Mesmo triste, mas a alma encanta,
E faz provar da esperança,
E faz saber que DEUS existe.
Celso Brasil
-----------------------------------------------------


O que é ser poeta?

Maria Petronilho

A poesia não se estuda:
acontece imediata,
nunca nos pede licença.
Anda no ar, dança e paira...
há o poeta, que capta
e o "outro" que arquitecta...
verseja e rima,
será até arquitecto,
terá seu merecimento

... porém, o que é ser poeta? !

Lisboa (Almada) Portugal,
14/9/2003
.....................................

O que é ser poeta?
Maria Thereza Neves

é viver como ninguém o silêncio das noites caladas
é escrever sentindo a visão do mundo
ou além do mundo
com letras rimadas ou livres
é vestir o papel de ator
da vida-alma
imagens das estrelas ou luas.


para Fernando Pessoa, ser poeta é ser "um fingidor"


É a beleza da vida e da morte
do amor e da mágoa

afinal, o que é ser poeta ? !

JF/14 de setembro de 2003 - 22h04
.....................................................


O POETA NADA SABE
Zelisa Camargo

o poeta nada sabe
pois a alma canta
sem sentir o cantar
ele apenas vibra
e deixa livre o fluir
não se questione o que não pode ser
entendido pela razão
apenas pelo sentir e coração
O poeta navega mares desconhecidos
aprofunda em mundos que vão além
de nossa imaginação
o poeta sente com alma
com o corpo
e com o todo seu ser
mas não saberia expressar
se você pedisse como
ele deixa a alma fluir.
Poeta é puro amor
sem limites
sem reservas
Ele é simplesmente
Poeta do tempo
de ser amor,
ser paz
e se doar
sem se questionar nada
apenas deixando a alma
cantar em versos e prosas
o seu sentir real
seu todo ser
e viver.
Poeta é só isso
e nada mais
sendo e vivendo
todas as emoções
e se permitindo
ser apenas
palavras jogadas
ao vento.
..................................

SER POETA
Marcial Salaverry

Ser poeta é poder o amor descrever...
Ser poeta é sobre as belezas da Natureza escrever...
Ser poeta é ver a vida com os olhos da alma,
Ser poeta é saber como o chorar acalma...
Ser poeta é a fantasia da vida sentir...
Ser poeta é a vida saber colorir,
com as cores da fantasia.
Ser poeta, enfim, é ter a sensibilidade,
de saber ver a felicidade,
que vemos no desabrochar de uma flor,
ou quando recebemos um beijo de amor...
ser poeta, é saber ver da vida a beleza,
tendo sempre a certeza
de que é lindo viver em paz...
de que é lindo podermos o amor desfrutar.
Ser poeta, enfim, é agradecer a Deus cada dia que começa...

......................................


Ser Poeta
(Maria Petronilho)

AH, A DOR DE SER DIFERENTE!
SER CISNE...
SER POMBO ENTRE AS ÁGUIAS
GUARDAR NO CORAÇÃO AS MÁGUAS

MAS RIR E CHORAR DE CONTENTE!

CAMINHAR POR ENTRE NUVENS!
SER DOS SONHOS MENSAGEIRO!
FAZER DA LUZ MEU DINHEIRO
E RIQUEZA DOS POEMAS!

CAMINHAR CERTO NO ESCURO
ANDAR AOS TOMBOS NA LUZ...

O SER DIFERENTE PRODUZ
UM QUALQUER MAL-ESTAR LATENTE

QUE UM POETA SOMENTE
AO SER-SEU-IGUAL CONSENTE
DIZER, EM ARTE, O QUE SENTE!

10/4/2002
.......................................

Poesia

Moacir Sader

Eu faço poesia
Porque ela não precisa ser criada,
Ela nasce por si, independente,
Tão engenhosa a nos iludir,
Fazendo pensar que somos poetas.
---------------------------------------------

SER POETA
(Maria Inês Simões)

Ser poeta é sentir na pele a dor do irmão
é cantar versos que nem sempre serão ouvidos em canção
É alimentar a alma com palavras soltas ao vento
É esperar que a brisa faça voltar aquele momento
É sofrer a agressão em tempos calados
É sonhar o impossível em tempos formatados
É viver anos luz à frente de compreender
que alguns nascem para serem felizes
Outros... Para serem poetas.
--------------------------------------------

DEIXAR PASSAR A POESIA
Maria Petronilho


ABRIR A VOZ
DEIXAR PASSAR A TRANSPARÊNCIA
DEIXAR PASSAR A POESIA
COMO QUEM QUER MATAR A SEDE

NA FONTE A MÃO ESCORRENDO ÁGUA
..............................



A POESIA DAS COISAS ESTÁ APENAS
NOS OLHOS DE QUEM A VÊ

David Lopes

UM HORIZONTE ONDE OS MONTES TOCAM O CÉU
NESTA HORA DA TARDE ESCURECIDA
PROPICIO ÁS CINTILAÇÕES DAS ESTRESAS
UM SILENCIOSO ENCANTO,
DE UMA BREVE HORA DE MEDITAÇÃO
NÃO SÃO NECESSÁRIOS ESCRITOS AUSTEROS
PARA A CONFIRMAÇÃO DESTA CERTEZA
AQUI SE ESCUTA
A ALEGRIA, A FELICIDADE, A SERENIDADE DA COSTA
A VISÃO NO HORIZONTE SABERÃO ANTECIPAR-SE
AO PÔR DO SOL
DESTA VEZ NADA ME AFASTA
NADA ME FALTA
PARA ACREDITAR QUE O SOL É A CERTEZA
QUE O BÁLSAMO VOU SEPARA-LO DO SONHO
PORQUE É REAL, É ABSOLUTO ENCANTO
A VIDA NÃO PARA DE OFERECER
O AMANHÃ DOS DIAS FUTUROS
E CHEGADOS OS DIAS
PASSADO AS HORAS
OS MINUTOS RESTAM-NOS PARA NOS ENCONTRARMOS
NA CERTEZA DO FIM DOS DIAS
ONDE PARO UM POUCO PARA VER A PAISAGEM
UM TEMPO EXACTO DE VIAJAR ATÉ AO LIMITE DO SONHO
UM MOMENTO EM QUE NOS SURPREENDEMOS
COM A BELEZA DO FIM DO DIAS
NESTE AZUL DOS DIAS PERCORREMOS
AS LONGAS ESTRADAS
PROCURAMOS A PAZ
O CAMINHO QUE RENASCE EM CADA MADRUGADA.

20\02\96



Ser poeta é...

Marisa Cajado

Fazer da vida vazia
Plenitude de alegria
Como flor na primavera.
É retirar da tristeza
Devaneios de beleza
Enquanto o coração espera

É da noite fazer dia
No parto de sua poesia
Vivenciar o amanhecer.
E ao final da estrada
Ver a senda alargada
Sem sentir que vai morrer.


Ao partir deixar semente
De esperança crescente
Nos exemplos que plantou
Porque o poeta é crente
Tem a alma reluzente
Ligada ao que iluminou.

19/11/02
02:52



Quando me chamais poeta

Maria Petronilho, aos dez anos

Se um poeta é um ser que vê
um ser que sofre
um ser que ama
alguém para quem viver
é entender o mundo
e ajudar a transformá-lo
num céu, lugar ideal.
então sim , sois verdadeiros
quando me chamais poeta!

____________________________________________


SER POETA

(José-Augusto de Carvalho)
Nenhum poeta existe sem poemas. Seu estro pode ser ou não liberto. Se for, desnudo, coração aberto, seu grito quebra todas as algemas... Nem convenções nem força de poder conseguem sufocá-lo ou submetê-lo! Num catre, em náusea, pode apodrecer, mas sempre o grito irrompe em pesadelo! E o pesadelo esmaga a tirania e arranca da cegueira os ofendidos, a quem humilha ardil de anestesia... Poeta não liberto... os sons perdidos da voz da liberdade em sinfonia! Desperta-me, poeta, os meus sentidos! *** Viana do Alentejo Évora Portugal
-- 27/05/2002 - 17:49


________________________________________________________
Mas porque sou Poeta

Maria Petronilho
NUNCA NINGUÉM
IMITOU A VOZ
DO VENTO
A MÚSICA DA ÁGUA
AO PASSAR
JAMAIS UMA FLOR
DE SEDA
TEVE O ENCANTO
DAS NASCIDAS
NO CHÃO
EU NÃO SOU VENTO
NEM ÁGUA
NEM FLOR
MAS PORQUE
SOU
TAMBÉM EM MIM
A NATUREZA
SE ESPELHA
EM
CLARIDADE

___________

A Poesia é um fio
onde está suspenso
o meu sorriso
desde sempre
e para sempre

mesmo quando
eu era areia
e o mar se afogava
no meu colo
mesmo quando
eu era rola
de olhos de espanto
mesmo quando
eu era láparo
a correr de toca em toca
e só via mato
cerrado à volta
mesmo quando
eu era o eco
dos encerrados
mortos vivos
nas prisões das borboletas
mesmo quando
foi abril
e eu desabrochei
com os cravos
mesmo no tempo
dos lírios nos meus olhos

soa dentro de mim a balada
soa dentro de mim búzio
esse som de mistério
esse som de magia
que permanece
que fica
a pairar na música viva
que compulsivamente
escrevo.


________
A POESIA ETERNA E BREVE

MARIA PETRONILHO


QUEIRA OU NÃO QUEIRA
ME ACONTECE


UMA PALAVRA MAIS E EIS QUE
O MEU OLHAR DA MENTE VAI
ALÉM DE MIM, ALÉM DE TI E ALÉM DE


QUE DOM ME DEU O MAL O BEM O SE
EU FORA FELIZ... FELIZ APENAS SE
EU FOSSE TERRA E PEDRA NUA EM VEZ DE


UM SER ETÉREO QUE VÊ E CRÊ
E NADA MAIS QUER DO QUE O QUE É:
LEGÍTIMA ÊSSENCIA DE SER IGUAL A SI.


A voz do poeta


A VOZ DO POETA É UM RIO
QUE BROTA FINO
E CRISTALINO

OS OLHOS DO POETA
TRAZEM
OUTRAS ÁGUAS
COLORINDO AS MARGENS

SEM NOME. ADORNO.

SÓ SE VEEM SE SE ENCONTRAM
OS RIOS QUE CORREM
PELAS PRAIS REVIRADAS DAS IDÉIAS

CANTANDO COMO

ONDA QUE ROLA E SE TRANSPORTA
SE TRANSFORMA
CAI LIMPA E CLARA
NA ALMA QUE CANTA.
---------------------------------------
SER POETA
Schyrlei Pinheiro
É ter a sensibilidade
da alma presa no corpo,
alado,
fantasiando seus devaneios,
transportando sementes de bem querer,
seguindo a linha do horizonte,
sempre cantando ao vento
palavras de amor.
Sem reconhecer seus limites,
segue atrelando o verbo
à luz das estrelas,
multiplicando seus sonhos
entre flores ao meio das cores,
sabendo que não vai morrer
nos versos, nas prosas,
que é o seu ser.
***********************
Ah! Ser Poeta

Ana Alice Zanettini



Ser poeta é expor seu pensamento sem medo de cair no ridículo.
É declarar seus sentimentos, deixando fluir suas emoções.

De forma lúdica, e pouco lúcida, que transcende a alma.
Ser Poeta é filosofar com a alma, falar com o coração

É soltar a imaginação, é voar bem alto, tocar em nuvens.

É passear no arco-íris, dedilhar as estrelas é ouvir a sinfonia dos anjos.
Ser poeta é espalhar gotas de perfume sobre o ar;

Sempre algumas gotículas acabam caindo sobre nós mesmos.



16/09/2003



Somos simplesmente assim...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes



Ser poeta...nascemos assim,

definitivamente apaixonados pela vida,dançantes

capazes de rodopiar sem ficar tontos,

de subir aos céus nas asas do vento,

de colorir as estrelinhas

com a cor dos nossos sonhos...

Somos cheios de empatia:

falamos de nós príoprios

e de todas as criaturas,

da dor e da alegria

e para tal,decodificamos mistérios

e nos expressamos com alegorias...



(20/09/2003)CAMPANHA PELOS DIREITOS AUTORAIS.ENGROSSE ESSE RIO...



CLEVANE PESSOA DE ARAÚJO LOPES

Publicado por clevane pessoa de araújo lopes em 09/04/2007 às 17h38

quinta-feira, 27 de março de 2008

II RECITAL ARTÍSTICO LITEROLÍRICO INTERNACIONAL - POESIA E PAZ





O banner do evento PAZ E POESIA é criação de Fernando Barbosa ,fotógrafo, Poeta del Mundo ,ator e autor, também em defesa da poaz e um de nossos apoios de divulgação (clevane).


Andréia Donadon nos envia a cobertura da noite de ontem , quando Silvia Motta promoveu um sarau internacional e recebeu os aldravistas, também integrantes da governadoria em Minas do INBRASCI (Instituto Brasileiro de Artes Internacionais) o representante do Governador de Minas, Aécio neves,Aloísio Pimenta, a presidenta do IWA,Terezinka Pereira ,da Rede Catitu , de Poetas del Mundo , da Centro Cultural Lagoa do Nado,e também poetas que integrarão o PAZ e POESIA domingo, 30/03, na capital mineira.

"II RECITAL ARTÍSTICO LITEROLÍRICO INTERNACIONAL - POESIA E PAZ


No dia 26 de março de 2008 no Salão de Festas do Edifício João Paulo II, em Belo Horizonte, os Poetas do Jornal Aldrava Cultural e Membros do InBrasCI-RD- de Minas Gerais, estiveram no "II RECITAL ARTÍSTICO LITEROLIRICO INTERNACIONAL POESIA & PAZ", organizado pelo Clube Brasileiro da Língua Portuguesa. Os poetas aldravistas de Mariana apresentaram vida e poesia do Jornalista e Escritor Popular RUDYARD KIPLING. O poema IF foi declamado em 16 línguas, sendo que os aldravistas o declamaram em espanhol. Esse evento teve a primeira parte com apresentação de Seresta Mineira, depois HINO NACIONAL BRASILEIRO,HINO NACIONAL BRASILEIRO CANTADO EM LATIM, PELO CORONEL JOÃO BOSCO DE CASTRO. HINO NACIONAL DA FRANÇA, Palavras do Mestre, Doutor e Livre-Docente em Ciências Militares da Polícia Ostensiva, Coronel João Bosco de Castro. Palavras da ANFITRIÃ SILVIA ARAÚJO MOTTA,
PRESIDENTA DO CLUBE BRASILEIRO DA LÍNGUA PORTUGUESA, Membro Efetivo da Arcádia de Minas Gerais e Vice-Presidente da Academia Mineira de Trovas/BH/MG. Palavras da Presidente da IWA: INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION e Senadora do Parlamento de Ohio, TERESINKA PEREIRA. Estiveram também presentes o professor Aloísio Pimenta representando o Governador Aécio Neves e a Curadora do Palácio da Liberdade - BH - MG, Conceição Piló..



* Rudyard Kipling (1865-1936) nació en Índia. Em 1907 se convirtió en el primer inglés en ganar el premio noble de literatura. A pesar de su profundo humanismo, Kipling tuvo en su época una visión ingenua, tanto del imperialismo inglés, como del norteamericano.


Atenciosamente,

Andreia Donadon Leal



FOTO 01 : RECITAL

Gabriel Bicalho - Aloísio Pimenta e Andreia Donadon Leal

Foto 02 : J.S. Ferreira, Gabriel Bicalho e Andreia Donadon Leal

Foto 03: Presidente do Clube Brasileiro da Línguan Portuguesa : SÍLVIA MOTTA
Representante da Governadoria de MG, Aloísio Pimenta e Senadora do Parlamento de Ohio : TERESINKA PEREIRA

FOTO 04 e 05: J.B. Donadon-Leal, Gabriel Bicalho e Andreia Donadon Leal

vejam também as páginas anteriores.

Sarau Internacional-CBLP-Poesia e Paz




Silvia Motta, Terezinka Pereira, a primeira preside o IWA e a segunda , a anfitriã do sarau internacional de música e literatura,o Clube Brasileiro de Língua Portuguesa.

Sarau Internacional




Gabriel Bicalho e Andréia Donadon , com convidado , o representanto do Governador Aécio neves, Aloísio Pimenta, no Recital do CBLP, em belo Horizonte, MG,em 25032008, ao qual esteve presente Terezinka Pereira, presidenta do IWA, na foto, com Silvia Araújo Motta.

Os aladravistas leram , em espanhol, o conhecido poema "SE", de Kipling- e eles, apesar de amarem as pinceladas sutis, nas Letras e nas Artes -característica dos aldravistas- sairam-se maravilhosamente, segundo fui informada, ao interpretar o longos versos do autor indiano.

Eu iria falar sobre PAz , na qualidade de Embaixadora universal da paz,(Cercle Univ.de la paix-Genebra, Suiça-, a convite da anfiuitriã, mas fui acometida de um mal estar que me impediu.Todavia, a festa internacional estava muito bem representada.
Clevane

Silvia Araújo Motta preside o Clube Brasileiro de Língua Portuguesa, para oito Países lusófonos.O sarau reuniu música e poesia, denominada por ela Poesia e Paz.Silvia integra a comissão de organizaçõ do evento "PAZ E POESIA" que acontecerá no domingo 30/03, sendo responsável pela licença para cem mil poemas "choverem" sobre a capital mineira, no espaço da feira de artesanato.
Caso não consigamos a devida autorização, "chuva" será mera metáfora, pois os poemas serão distribuidos.

Também ecologica e politicamente estamos corretos, pois os garis fazem,após A FEIRA DE ARTESANATO, onde os mil livros e os cem mil poemas serão distribuídos, os garis fazem ótima limpeza na av.Afonso Pena.

Aldravistas declamam Kipling em espanhol

quarta-feira, 26 de março de 2008

PAZ em muitos idiomas


PAZ em muitos idiomas


Abenaki:
Olakamigenoka

Afrikaans: Vrede

Albanian: Paqe

Algonquin:
Wakiijiwebisi

Arabic: Salaam

Aramaic: Shlamaa

Armenian: Ahskharh

Belorussian: Pakoj

Bengali: Shanti

Bosnian: Mir

Breton: Peoch

Bulgarian: Mir

Burmese: Nyein Chan
Yay

Cantonese: Peng On

Catalan: Pau

Comanche:
Tsumukikatu

Cornish: Cres

Creole (Jamaica):
Satta

Czech: Mir

Danish: Fred

Duala: Musango

Dutch: Vrede

Egyptian: Hetep

English: Peace

Eskimo: Erkigsnek

Esperanto: Paco

Estonian: Rahu

Farsi (Persian): Solh

Fijian: Vakacegu

Finnish: Rauha

Flemish: Vrede

French: Paix

Gaelic-Irish: Siochain

Gaelic-Scottish: Sith

German: Freiden

Greek: Eiphnh

Greenlandic:
Eqqisaqatigiineq

Hawaiian: Maluhia

Hebrew: Shalom

Hindi: Shanti

Hiri Motu: Taim
Billong Sikan

Hmong: Kev Sib
Haum Xeeb

Hopi: Shi-Nu-Mu

Hungarian: Beke

Icelandic: Fridur

Ido: Paco

Igbo: Udo
Indonesian: Damai

Inuit: Tutkium

Ishkashmi: Salam

Italian: Pace

Japanese: Heiwa

Javanese: Tentram

Kashmiri: Amn

Khmer: Santekphep

Kongo: Kikoendi

Lakota: Wowanwa

Lao: Mitsumpun

Lappish: Rafi

Lithuanian: Taika

Maltese: Paci

Mandrin: An-Ping

Maori: Rongo

Navaho: Ke

Nepali: Saanti

Nez Perce: Eyewi

Odawa: Nwebin

Ojibwe: Bangan

Polish: Pokoj

Portugese: Paz

Potawatomi: Etokmitek

Romanian: Pace

Romany: Smirom

Russian: Mir

Samoan: Filemu

Sanskrit: Shantih

Serbian: Mir

Sioux: Wookeyeh

Slovenian: Mir

Somali: Nabad

Spanish: Paz

Srilankan: S Aamaya

Swahili: Usalama

Swedish: Fred

Tagalog: Kapayapaan

Tamil: Samadaanam

Tatar: Duslik

Thai: Santipab

Tibeten: Zhide

Turkish: Baris

Ukrainain: Mir

Uzbek: Tinchlik

Vietnamese: Hoa Binh

Waloon: Paaye

Welsh: Hedd

Yiddish: Shulam

Yoruba: Alaafia

Zulu: Ukuthula

Einstein


Albert Einstein defined peace as:

"Peace is not merely
the absence of war
but the presence of justice,
of law, of order--
in short, of government.”

Ghandi



Non-violence is the greatest force at the disposal of mankind. It is mightier than the mightiest weapon of destruction devised by the ingenuity of man.

Destruction is not the law of the humans. Man lives freely by his readiness to die, if need be, at the hands of his brother, never by killing him.

Every murder or other injury — no matter for what cause — is a crime against humanity.

Mahatma Gandhi

In the www.peace-not-war.org/



Geaia in his bblog, call you for the peace:


"This is for the blog peace chain!

Nothing to it if you don't care to leave a word here and there, but it would have been much better if we got rid of the warmachine elves and the ammunition industry.

It's getting too much already, I can almost smell the gun powder hovering around the world. This might sound like an old song, but we have done nothing to stop it. Throughout the generations more and more have been seen in numbers.

Here's a link to a good site that may give you how was spend on war and not education..."

:: Peace Not War :: Non-Profit Cooperative
www.peace-not-war.org/

(Geaia)

terça-feira, 25 de março de 2008

Morada-Paz,Ângela Togeiro




Ângela Togeiro nos envia seu Morada PAZ, um poema concreto muito interessante.Premiada no Brasil e no Exterior, é dessas pessoas que estão de tal forma em simbiose com a palavra que seu ser é ,ele próprio, expressão poética.

BRENDA MARQUES-27/03/2008-Lagoa do Nado, Belo Horizonte



BRENDA MARQUES

Atenta ao ser-no-tempo feminino, a Poeta Brenda Marques registra a maneira peculiar da Mulher ver o mundo e sentir as coisas mais simples e as mais complexas.

Neste terceiro mês do ano, recebe duas antologias onde partipa:"Mulheres no Banquete de Eros" (lançada em Havana,Cuba, na Feira Internacional do Livro pela Editora do Movimento Cultural aBrace ) e ME 18 (Muljheres Emergentes (aNomelivros e Edições Alternativas).

Para levar à Lagoa do Nado sua Poética, escolhe Março ,mês é rico e adeqüado, entre festejos de várias outras datas,nele festeja-se o Dia Internacional da Mulher da Poesia :uma perfeita conexão.

O convite veio do pesquisador e Poeta Ricardo Evangelista, curador, responsável pelos saraus de Poesia do centro Cultural que ali funciona, muito ativo e renovador.

A poetisa e perfomadora Brenda Marques Pena (Brenda mars), está bastante animada com a possibilidade e já visitou o local algumas vezes,para estudar espaços e possibilidades.


Mulheres no banquete de Eros traz trabalhos que publicou junto com outras 13 poetisas latino-americanas .
A performance terá início às 19 horas da quinta-feira, 27 .

Essa apresentação tewrá por pontos focais,segundo a jornalista, "diferentes tipos de amor que são exprimidos pelas mulheres: Eros (erótico), Philos (fraterno) e Ágape
(incondicional, como o das mães com os filhos)".

Brenda já é conhecida internacionalmente.Possui estilo marcante e próprio e se utiliza de vários recursos audio-visuais.,Seus movimentos
corporais unem-se à exploração do som "como elemento de expressão poética ", nos conta.Essas, as características da poetisa mineira , que fez sucesso ao se apresentar em Cuba, França e Estados Unidos.

No Centro Cultural da Lagoa do Nado, a Poeta apresentará um
espetáculo multimídia ,motivado por vídeo da artista Lygia Clark e ainda "El agua que
respiro", da produtora independente chilena Ochoaletas, " jogos de
corpo e interatividade retomando elementos sensitivos que fazem
referência à transitoriedade dos amores femininos" elucida.

Serviço:
"SARAU DA LAGOA DO NADO COM OS POETAS BRENDA MARQUES E LUCIANO NUNES
27/03/08 ÁS 19:00 hs.
LOCAL: BIBLIOTECA DO CENTRO CULTURAL DA LAGOA DO NADO.
ENDEREÇO: Ministro Hermenegildo de Barros 904 - B. Itapoã.
ÔNIBUS: S2207/22042210- 63/64 VIA PEDRO 1º.

Mais informações com coordenação do sarau Ricardo Evangelista.
Fones: 32777420 ou 96920283
"Brenda Multifacetária"
Poeta, baterista, jornalista e mestra em Literatura e outros
Sistemas Semióticos pela UFMG.

Uma das Côsules de Poetas del Mundo,em Belo Horizonte, MG, Brasil Brenda MARqueS (Brenda Mars)Pena,dedica-se ao ofício de escrever desde 1992.Participa de
foi publicado em antologias nacionais (Brasília, Rio Grande do Sul,
São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais). Dois volumes da coleção
Escritores do Ano 2000 da Editora Koinonia Sul1998/1999 levam quatro
de suas poesias.

"Medalha de Bronze no Prêmio Carlos Drummond de Andrade
CBM e no I Festival de Cultura Popular. Participou da
Bienal Internacional do Livro do ano 2000 em São Paulo pela Alba
Editora.
Em 2007 publicou "Roteiro para uma noite poética feliz" da
antologia internacional Del´Secchi.Esse poema, foi por ela declamado no sarau que oferecemos no Restaurante D.Preta, em novembro de 2007 e mereceu muitos aplausos.

Neste ano ,é com com 6 poemas que integra a edição bilingüe "Mulheres
no Banquete de Eros" pela Editora uruguaia/brasileira aBrace junto com
13 mulheres (Encontro internacional Literário durante a
Feira Internacional do Livro em Havana).
Inquieta quanto à inpiração contínua, Brenda Mars está em processo de finalização
dos livros: "Almas Desnudas" (Poesia) - em parceria comigo e "Invasão do Iraque: uma guerra de imagens e discursos."(Ensaio).

Sempre repito que por ser baterista, imprime musicalidade e ritmo a seus versos.
brenda é ainda fotógrafa, privilegiando crianças (em especial as desvalidas)e indígenas em seus ensaios fotográficos.também preside a ONG Imersão Latina.

No momento, integra conosco a comissão organizadora do PAZ E POESIA, a acontecer dia 30/03/2008, das 10 às 13 horas, na capital mineira (Feira de Artesanato e Praça da Liberdade).Veja em outro local deste blog.Em maio, fará parte das apresentações que representarão Minas Gerais.

Podemos ler Brenda também pela Internet, em vários sites, mas sobretudo em sua "Escrivaninha" do recanto das Letras.
Acesse-os:

www.recantodasletras.com.br/autores/brenda
E no site do pessoal:

www.cautionband.com.br/brenda.htm


Para contatos e entrevistas com a poeta:
(31) 3047-6186
(31) 8811-9469
brendajornalista@gmail.com

Imperdível.

Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Diretoria Regional do InBrasCi em Belo Horizonte,
Cônsul de Poetas del Mundo Z-C em BH/MG

SERVIÇO(2):

Centro De Cultura Lagoa do Nado

Rua Hermenegildo de Barros 904
B:Itapoã.
CEP 31 710-230

e-mail:
cclagoadonado@gmail.com

domingo, 16 de março de 2008

Rafael Jesús González :As Mãos são o Mundo


05/08/2007 18h00

Ouçamos o poeta Rafael Jesús González :As Mãos são o Mundo


O poeta Rafael Jesús González nos envia uma de suas poesias, bem a seu estilo.No côncavo do mero, o de profundis...

Busque mais nos endereços que ele envia.Traduzi, abaixo, para o Português (Clevane Pessoa).





"To share with you Arabesques Review; Cultures & Dialogue, a journal of international writing & arts, Vol. 3 no. 3 on Globalization in which some of my work appears: http://www.arabesquespress.org/journal/rafael_jesus_gonzalez/index.h tml


R.J.G.





Para compartir con ustedes Arabesque Review; Culturas y diálogo, una revista de escritura y arte internacional, vol. 3 no. 3 sobre la globalización en la cual aparecen algunos de mis trabajos:



http://www.arabesquespress.org/journal/rafael_jesus_gonzalez/index.html"


R.J.G.








" The Hands are a World






We do not hold the world in our hands

but our hands are the world


they impose upon the Earth -


be it with a caress

or with a blow.



Let us hold hands

& make the world whole."








© Rafael Jesús González 2007"

















"Las manos mundo son





No tenemos el mundo en las manos

mas son las manos el mundo

que le imponen a la Tierra -

ya sea con una caricia

o con un golpe.


Tomémonos de la mano


y hagamos un mundo entero."


© Rafael Jesús González 2007



Em Português:



As mãos são o Mundo

Rafael Jesús Gonzalez.



Não temos o Mundo nas mãos,

mas são as mãos, o Mundo

que o impõem à Terra,

seja com uma carícia

ou com um golpe.



De mãos dadas,

façamos um Mundo inteiro...



Tradução livre:Clevane Pessoa de Araújo Lopes



Esses versos de Rafael Jesús González, vão dar nas vertentes de um poemeto-oração de Michel Quoist , que eu declamava, mocinha, nos Anos 60:



"Senhor,

na minha vida

há uma porção de buracos.

Há buraços também , na vida de meus vizinhos.

Mas se nos dermos as m ãos,

faremos um belo rolo de tela

para consertar o paraíso."



N:Eu sempre fazia uma versão onde substituía a palavra "paraíso"(não o Éden, mas a própria Terra, um "paraíso perdido", ou quase , para os homens).

O Poeta , hoje, tem a sagrada obrigação de lutar pela Paz Universal, para que a roda do mundo gire no sentido esperado, em harmonia , pela União dos povos a conviver em Paz.E pobres de nós , humanos,se perdermos a esperança de que um dia , a verdadeira PAZ,possa acontecer de verdade...



Clevane Pessoa

Poeta Honoris Causa, pelo Clube de Língua Portuguesa, para 8 países Lusófonos.



Belio Horizonte, Minas Gerais, Brasil


clevaneplopes@gmail.com

http://www.clevanepessoa.net/blog.php

Masé Soares:Ciranda Pela Paz





Masé Soares, que faz os belos PPs para meus poemas e de muitos autores, nos manda sua contribuição:

CIRANDA DA PAZ

Masé Soares

Vem dançar esta ciranda
ciranda no jardim.
Vem fazer uma corrente,
e cante comigo assim.

Rios e matas, aves e flores
lagos e mar morrerão,
se o homem não regar o jardim
do coração...

Pois neste jardim encantado
guardamos toda a emoção,
e a Paz sonhada existe
dentro do nosso coração!

Sobre o evento Paz e Poesia




Paz e Poesia, agradeço os preciosos envios de poemas, em nome de todos que organizam esse evento a céu aberto, sem fins lucrativos, politítico, universal dos Poetas por sua Poesia e por seu desejo de pAZ.

O evento é interessante e chama a atenção porque não há nehum dinheiro envolvido:apenas doação de tempo, serviço,poemas e livros.

Distribuiremos mil livros que estão sendo doados por muitas pessoas,todos, embrulhados para presente, aos artesãos da feira de Artesanato, na Av.Afonso Pena.
Distribuiremos mano a mano, os poemas impressos, tenta-se conseguir um helicóptero .

Politicamente correto:os garis que limpam toda a Avenida Afonso Pena,após a feira, também lerão POESIA.

Após isso, os poetas subirão a pé a Rua da Bahia, tradicional caminho dos intelectuais e boêmios da capital mineira, dizendo poemas, com megafones, etc.
Depois, ao chegar à Praça da Liberdade, faremos um sarau aberto -e se estiver chovendo, ficaremos nas proximidades da Secretaria de Educação ou a Biblioteca, onde estão as estátuas de Sabino, Pedro Nava, etc.

O sucesso vem sendo grande:poetas do Estado, do Brasil e do Mundo, estão mandando poemas.A Ângela Togeiro, da Academia Municipalista Feminina de Letras, já mandou cem livros embrulhados para presente.

Vou doar sessenta, Andréia Donadon idem , o Maurício uns tantos , o Wagner Torres da Editora Plurarts e poeta, também,e..."de grão em grão, a galinha enche o papo".Vários mandam e-mails dizendo que virão para o evento, perguntando de que forma doarão livros, etc.
Serão para presente, porque em março, comemora-se o Dia da Mulher, do Livro, do Revisor, da Bibliotecária, do Artesão...

Os Centros de Cultura da Fundação Municipal de Cultura, recolherão os livros doados, os de fora, virão para meu endereço,o Restaurante D.Preta,também receberá.
A intenção principal, dos poetas pela poesia e pela Paz é agregar, aos poetas "independentes", os afiliados a grupos vários.

A "Casa de Cultura ARTE PELA PAZ", que tem tudo a ver conosco,generosamente cedeu uma sala aconchegante par as reuniões.Em outubro, eles farão um grande evento pela PAZ e resolveram incluir os poetas. Será na Praça da Estação.

Marco Llobus passa dias formatando e diagramando, com fins da impressão dos poemas .

Em Belo Horizonte, vai chover poesia...

Dia 30/03/2008

Das 10 às 13 h

Após a distribuição na Praça da liberdade, os poetas subirão a Av João Pinheiro declamando poemas, até à Praça da Liberdade.

Com diz o Poeta Ricardo Evangelista, "POETAS QUAE SERA TAMEN!


Então, amigos poetas:venham e tragam sua Poesia e seu desejo de paz.

A harmonia vai fluir naturalmente...

Um ou dois poemas de até 25 linhas deverá ser enviado para

poesiaepaz@gmail.com

Aguardamos você.

sábado, 15 de março de 2008

Poema Para el Poeta Padin Por la PAZ


Gislaine Canalles, a grande trovadora e glosadora, nos envia o poema que escrevemos para Clemente Padín,versado para o espanhol por Cristina oliveira, mexicana que reside nos estados Unidos.
Muito agradecemos!

Clevane

Oi Clevane!
A Cristina Oliveira dos USA fez a tradução de seu poema.
Mandei pedir para ela fazer (...)
Besos Gislaine



Poema Para el Poeta Padin Por la PAZ
( Clevane Pessoa de Araujo Lopes )

El hombre que eres, se hace él propio,
guerrero de la luz por la paz.
Elemento del verbo, donde todo comienza mas.

De tu cuerpo, haces la letra "A",
de AMOR,
AMISTAD,ANGUSTIA :esa inquietud que te impele, por ser poeta,
por la PAZ en el Mundo.
Sabes que sólo por la solidaridad
los pájaros, en bando, se hacen fuertes.

Y tú, poema concreto, le prestas
al "buen combate", eres una letra,
en el trío de la palabra P*A Z*
y en el inmensurable alfabeto de la P*O*E *S*I*A
en el universo, un POEMA del Creador ...

Bello Horizonte, 15/03/2008

PAZ-poema visual de Clemente Padín-poeta uruguaio



POEMA VISUAL DE CLEMENTE PADÍN,gentilmente enviado pelo autor , para o evento PAZ e POESIA,que acontecerá em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, a céu aberto, na feira e artesanato, com mil livros distribuidos embrulhados para presente 9estamos coletando doações) e cem mil poemas impressoso.

V*A*I *C*H*O*V*E*R P*O*E*S*I*A

CLCLEMENTE PADÍN-O CORPO DO POETA PELA PAZ


Amigos:Mucho nos gusta la lucha por la PAZ:el Poeta se entrega a la luz de ese chamamiento y ele mismo es parte del Poema Concreto.
Miren las imagenes del Poema VIVO de Clemente Padín e otras fotos en otras pg de mi blog.

LA PAZ ES POSIBLE E LOS POETAS LA QUIERÉN...
Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Poeta Honoris causa pelo Clube Brasileiro de Língua portuguesa ,para oito paíes Lusófonos.

Cônsul de Poetas del mundo em Belo Horizonte, MG,Brasil

Representante do Movimento Cultural aBrace( uruguay/Brasil).

Dama da Ordem Sereníssima da Lyra de Bronze

Diretora Regional do InBrasci em Belo Horizonte

Comunicadora da rede catitu-BHMG

Vice-Presidente do Imersão Latina.






CLEMENTE PADIN: currículum vitae

Nace el 8 octubre de 1939 en Lascano, Rocha, Uruguay. Poeta experimental, artista, diseñador gráfico, performer, videísta, multimedia, curador y networker.

Licenciado en Letras Hispánicas en la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, Universidad de la República, Uruguay

sexta-feira, 14 de março de 2008

Fernando Barbosa



Uma das poéticas fotos artísticas de Fernando Barbosa, nesse caso,posa uma das atrizes que protagonizou "Brinquedo Proibido".Generosamente, em seu blog, ele ilustrou com essa arte, meu poema abaixo:

Foto - Fernando Barbosa e Silva - Atriz - Tatiane Moreia

Espetáculo Brinquedo Proibido by fbs



Estudo geral do cansaço



Das facas de dois gumes,

livrem-me, por favor!

Dos inúteis ciúmes,

escondam-me

(talvez no seio da flor)...

Das balas perdidas,

desviem-me a cada instante

(pois sou inocente

de qualquer acusação indevida)...

Dos falsos amores,

mandem-me um documento

para que os rasgue

e fuja deles, contida,

endurecida

sem olhar para o desejo!

Ando cansada da deslealdade

dos que representam

e fingem-se leais...

O cansaço me abate,

com tiros mortais,

quando, triste, vejo

plágios,roubos,mediocridade:

quero uma zona de conforto,

cercada de gente do BEM

para, confiante, ter e dar colo,

relaxar e ser alguém,

enfim, poder DESCANSAR...


Clevane Pessoa de Araújo Lopes

<<<***>>>

E agora, a verve do poeta,que sintetiza um de seus monólogos, onde conta sobre uma fuga de casa, na juventude .Somente os Poetas conseguem extrair beleza de seus dramas pessoais...E os atores,também.Essa performance é impressionate.
Reparem que forma um acróstico, com o título.

C A M A DE P A P E L


CADA VEZ QUE
ALÍ DEITAVA, SENTIA
MEDO QUE NO DIA SEGUINTE
AS DORES AUMENTASSEM AINDA MAIS.

DE UM LADO PARA O OUTRO ROLAVA NA
ESPERANÇA QUE AQUELE MONTE DE

PAPEIS JORNAIS,
AQUECESSEM MEUS
PÉS, ESFRIASSEM MINHA CABEÇA E
ELEVASSEM MEU ASTRAL. ISSO PARA NÃO FICAR
LOUCO. CADA VEZ MAIS LOUCO!

Fernando Barbosa e Silva
Espaço Cultural Casa do Fernando
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Visitem o site do fotógrafo, poeta, ator e autor Fernando Barbosa ,de Belo Horizonte, Mg e conheçam seu trabalho de webdesigner, notícias sobre o "Espaço Cultural casa do Fernando" e muito mais...:

http://fernandobarbosaesilva.arteblog.com.br/r144/PeLoS-CaMiNhOs-Da-FoTo-PoEsiA/

Fernando Barbosa by yourself !!!

"De família do interior de Minas Gerais, precisamente Itabira, tive o privilégio de ser gerado com amor , por uma grande mãe, num Belo Horizonte para apreciar. Sob o signo de capricórnio, primeiro decanato de janeiro, nasci – a data pouco importa . O que conta é que parece que já estou aqui há alguns milhares de anos – procurando a cada dia o aperfeiçoamento para o bem viver, o bem estar, aliado ao prazer de ser útil e poder servir. Do berço que não era de ouro, vem a grande herança que até hoje procuro administrar com sabedoria – uma boa educação – embora, às vezes sou colocado à prova. São nesses momentos que realmente crescemos do ponto de vista evolutivo. Profissional da fotografia, utilizo-a também como instrumento de crescimento interno e foi num desses clicks que me encontrei – encontrando também com a própria natureza – de onde então brotou a inspiração para escrever em fotos, contos, versos e prosa minha trajetória pelos caminho da cultura ."

Regina Mello-Sementes e Poesia





Regina Mello é artista , poeta e produtora cultural.
Hoje, nos enviou, de Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, 44 poemetos, "plantados hoje", no SEMENTES DE POESIA.
Cônsul de Poetas del Mundo, simplesmente, não sabe ficar sem inventar e criar.Até mesmo o dia-a-dia.
Preside o MUNAP, museu itinerante de Poesia.Criou o Galeria da Árvore, para intervenções e encontros entre criadores :artistas, poetas.

Hoje deixei o silêncio ficar
Ele deixou-me em branco
Então pude de novo criar
Regina Mello

A música brota do movimento
Como sementes
Em terras férteis
Regina Mello

Orações Rosas Esperanças
Ou apenas
Digestões Rasas Lembranças
Regina Mello

Você vai dizer que é chuva
Mas são lágrimas
Degelo de coração congelado
Regina Mello

As montanhas verdes
São mantos sagrados
Que cobrem a terra
Regina Mello

Todos os dias
Acorda uma flor no jardim
Que guardas em ti
Regina Mello

Sou poeta
Faço pingar letras do céu
Faço desenhos nas nuvens
Regina Mello

Derrama-me coração
Derrama-me todo o seu sangue
Aqueça-me a minha alma
Regina Mello

Traços opacos
Cortam
A seda acetinada da veste
Regina Mello

Amanhecer em cores
Transforma
Em felizes corações duros
Regina Mello

Transparente é a lua
Do amor
Que aquarela os sonhos
Regina Mello

Esmeraldas trazem
Lembranças
Dos dias de esperança
Regina Mello


Doce e levemente macio
Cobre o desejo
De pintar a vida
Regina Mello

Um silêncio mudo e longo
Atravessa o azul
Da tarde de uma infância
Regina Mello


Nem renda, nem teia
Apenas um velado
Espaço em branco
Regina Mello

A orquestra
Escreve no ar
A poesia guardada no mar
Regina Mello

Verdade
Em guerra com a mentira
Descobre a força da rainha
Regina Mello

O violino mudo
Que espera ser tocado
Para tocar
Regina Mello

O tempo
Traz a cura da alma
E a clareza da solidão
Regina Mello

Azulado é o dia
Da luz
Do desbotado coração
Regina Mello

Triste
É a certeza da tristeza
Que esconde a beleza
Regina Mello

Hoje choveu sangue
E inundou o mundo
Com a cor do a m o r
Regina Mello

O licor escorre derretido
Adoçando
Os corações dos enamorados
Regina Mello

Oh! Fio de luz
Que solto ao vento
Mergulha na vida e dribla ...
Regina Mello

Um vidro soprado
Uma fisgada na barriga
E os fios coloridos
Regina Mello

Cores flutuando entre si
Confundem
O desalento de viver
Regina Mello

O muro Dálmata
Parecia vestido de cachorro
Que não latia mais
Regina Mello

Ruídos cerebrais serpenteiam
O silêncio do mudo
Pensamento azul
Regina Mello

Uma sombra
Ou apenas um desenho de luz
Sombreando o lago
Regina Mello

A luz vela e revela
Cores e formas
No jardim da alma
Regina Mello

O fogo devora os montes
Que contornam a vista
Das minhas minas...
Regina Mello

Perguntas!? Que venham todas!
Mas, respostas! Para que respostas!
Se me bastam as perguntas?
Regina Mello

Não há sol
Que esquente ou ilumine
Se seus raios estão voltados para dentro
Regina Mello

Limites
De contornos poéticos
Deparam perfis de luz
Regina Mello

Medidas imprecisas
Marcam o tempo
Da letra na poesia
Regina Mello

O amor não tem forma
Não tem fórmula
É como a luz...
Regina Mello

Com olhar cortante
Atravessa o telhado
Contempla o céu do mundo distante
Regina Mello

Em silêncio
A música desperta a morte
E mansamente devora as vísceras
Regina Mello

Raios dourados
Estão gotejando o movimento
Da sombra no asfalto
Regina Mello

O amor chegou
E ela enfeitou-se de feliz
Como o Natal em Paris
Regina Mello

Silvia Araújo Motta-OUTRO MUNDO É POSSÍVEL




OUTRO MUNDO É POSSÍVEL(31,da SÉRIE LÍRICA)

Por Sílvia Araújo Motta

Outro mundo é possível
No além, lá na eternidade...
Onde nada é impossível:
Cada sonho é realidade,
Paz e amor com perfeição,
Imortal fraternidade
Sem fome, violência e ganância.

Rio de Janeiro, 17 de julho de 2007.

---***---
Silvia Araujo Motta possui um espantoso número de acrósticos biográficos, que oferece aos amigos e pessoas a quem homenageia.
Dorme pouco, para não perder tempo dessa vida passageira.O sorriso é sua marca.Integrará o livro-álbum POIETISAS,que Llobus e eu estamos criando,aprovado pela lei Municpal de incentivo à Cultura em Belo Horizonte..


Sílvia Araújo Motta-Belovalense/BH/MG/Brasil,
Graduada e Pós-Graduada,Acadêmica,Escritora,Poeta,Violonista,
Presidenta do Clube Brasileiro da Língua Portuguesa/ 8 países lusófonos,
Cônsul Z-NO em Belo Horizonte/MG/Brasil,Poetas del Mundo/130 países.
Estudante de Direito/FAMIG/2008 e
de italiano: WIZARD/Savassi/BH/MG/Brasil.

www.recantodasletras.com.br/autores/silviaraujomotta

*Mulher Folha e Amante Fuligem*-Brenda Mars



Foto:Com seu vestido de noiva, após o enlace com Beto Ferris, webdesigner tendo complementado o traje nupcial com o colete e chapéu do marido,simbolismos de poetisa...Brenda retorna a Belo Horizonte, depois de haver passado um tempo em Brasília.

Brenda Marques Pena
[Cônsul - Z-L-Belo Horizonte-MG,de Poetas del Mundo]

*Mulher Folha e Amante Fuligem*

Elemento de um só nó
vida vivida na vertente
dessa transitoriedade latente

Lida de levar a vida
No compasso a passar
Por caminhos só de ida.

Anda a incerteza do amor
Por caminhos tão distantes
Que dispersam todas as luzes.

A paisagem não sabe dizer
Se poesia é árvore ou fruto
Mas ela está a brotar e crescer.

Folhagem e fuligem
O poema queima a paisagem
Até o gozo refrescar o corpo.

A poesia é mulher ou amante?
Homem sem história talvez?

O poema não guarda a memória
Ele faz a sua própria história
Sem palavras, traços ou riscos

O poema retoma ao giz-de-cêra
De uma infância de cores
Para aliviar as dores
De quem nesta arte
Será sempre aprendiz.

(Poema escrito em comemoração ao dia Mundial da Poesia - 21 de março de 2007 - entrada da primavera no hemisfério e do outono no hemisfério Sul e Dia da Árvore)

Essa moça é a um tempo doce e determinada, sabe o que quer e vai longe.Não perde tempo, não perde nada.
Performer, baterista (Banda Caution),jornalista, ainda acha tempo para poetizar.E mais:ser a presidente de sua significativa ONG, a IMERSÃO LATINA,

Neste mês, sai a lume ,com poemas eróticos,na antologia MULHERES NO BANQUETE DE EROS (organizada por Nina Reis, da Editora aBrace, onde também estou,foi lançada na Feira do livro de La Habana, em Cuba.E também no Mulheres Emergentes, da Editora ME,organizada pela também poeta Tânia Diniz.

Juntas, estamos para publicar ALMAS DESNUDAS.

Ontem,ela apresentou-se,a convite de Silvia Araújo Motta ,na AMATRA Associação dos Magistrados Trabalhistas.Indiquei-a por saber, que mesmo de última hora, ia sair-se muito bem. Silvia me disse que arrazou. Levou punhal e soutien, símbolos de luta feminista. Homenageou duas "Marias" - Maria Lúcia Cardoso de Magalhães e Maria Eneida
Nogueira Guimarães que passaram a integrar a Academia Feminina Mineira de Letras - AFEMIL. Segundo a poeta, a Presidente da agremiação, Maria Laura Pereira da Silva Couy, destacou o fio da tessitura da escrita feminina: um ato de coragem e entrega. "Sem dúvida, foi uma noite das Marias, em seus contos, poesia e um discurso", conclui Brenda.

No momento, ela prepara a performance que fará dia 27, no Sarau da Lagoa do Nado, a convite de Ricardo Evangelista. Na ocasião ela lançará "Mulheres no Banquete de Eros", da Editora aBrace e "Mulheres Emergentes", da Tânia Diniz Edições Alternativas. Brenda conta que quem for ao Centro Cultural da Lagoa do Nado, presenciará um espetáculo multimídia com vídeo da artista Lygia Clark e "El agua que respiro, da produtora independente chilena Ochoaletas, "jogos de corpo e interatividade retomando elementos sensitivos que fazem referência à transitoriedade do amor feminino, em suas vertentes: materna, fraterna e erótica".

bila bernardes-carregadores





A psicopedagoga Bilá Bernardes(*), afeita ao self das pessoas,escreve abaixo sobre as desigualdades.E não importa se elas aconteceram ontem ou hoje, no espaço-tempo da História:importa é que não voltem a acontecer, que consigamos harmonia social.

CARREGADORES
Bilá Bernardes

Quando era criança
me indignava
com fotos e fatos
de pessoas humildes
transportando liteiras
carregando a elite
pelos caminhos

Meu coração pequenino
questionava:
Como poderia existir,
trabalho tão vil?
pessoas obrigadas
transformadas em instrumento
sem vontade
desejos esquecidos
esquecerem que eram gente?

Volto hoje a ver as cenas
que a História me assombrara
Não são pessoas que carregam agora
É a dor do desemprego
É o peso da exclusão

É a opressão das cidades
É a limpeza do mundo
em suas mãos calejadas
em seus corpos cansados
esculpidos ainda meninos
carregando cargas
maiores que o peso esperado

Hoje não mais
escravos de senhores
ainda carregam a elite
são escravos de um sistema
que arrebata dignidade
e distribui
cada vez mais dores.
Será que percebem
que não é opção?

Nascida em Santo Antonio do Monte,MG, é uma das poetas que integrarão o livro-álbum POIETISAS,que Marco Llobus e eu estamos criando aqui em Belo Horizonte, pela Lei de Incentivo à Cultura.
Acaba de lançar "Fotografias de Um Descasamento" (Anomelivros).Antes,porém , fazi-a artesanalmente.
Sob a forma de saraus,leva poesia às escolas, numm tapete e faz varal de poemas.
Cônsul Z-NE de Poetas del Mundo.

Seu slogan:"DE BEM COM A VIDA"

Clevane

Cordel para Llobus-Clevane Pessoa



Imagem:uma das belas fotos artísticas da coleção de Marco llobus:alegoria a respeito da Poesia.Interprete-a.Decifre-a.ou ela te devorará...
Clevane

Cordel para Llobus

Clevane


Licença,meus bons senhores,
que boas novas vim trazer,
atenção,meus cantadores,
pois vocês vão conhecer
quem vai revelar suas dores,
suas historias vai dizer...

Sendo lobo que uiva prá lua,
é carcará de voz forte,
aponta a poeira que estua
nas bandas secas do norte,
fala dos frios nas ruas
nas Minas frias de corte...

Marco Llobus na verdade,
traz prá mim tal comoção
que ao ver os moços de idade
dançando em batido chão,
em suas fotos,verdade,
dispara meu coração...

Ele mostra a cantoria,
e a animação dessa gente,
as rugas,cada alegria,
as esperanças que se sente
a chuva onde o fogo ardia...

Com humildade esse rapaz,
diz ser um mero aprendiz
da História que o povo faz,
os medos que não se diz,
pois a coragem desfaz...

Se a fome grassa,que importa,
quando há fartura de dança,
e o sorriso bate à porta
-com caninha ninguém cansa,
peixe no rio,verde na horta...

Mas se os donos do poder,
soubessem o poder pleno
da arte de poder ser
um homem pobre e sereno,
iam querer conhecer...

E o artista,vê os artistas,
vê o sagrado e o profano,
planeja e faz mil listas,
e assim fotografa HUS MANO,
e manda pros analistas...

Dá licença ,minha gente,
que esse lobo vai chegar,
um homem de sangue quente,
debaixo do chapéu a suar:
de longe,vem insistente...

Em vez de tirar retrato
de ricaços e patricinhas,
ele quer,mesmo,de fato,
é flagrar as avezinhas
que trinam aqui no mato
e brilham até sozinhas...

Batam palmas,meus brincantes,
os calcanhares,no chão,
cantem com vozes possantes,
que a história não some não,
na Conga,cês são vibrantes,
não negam a persussão...

O Llobus vamos saudar,
a esse passarim de orelhas,
seus feitos vamos cantar,
que,simples quais as ovelhas,
é capaz de nem ´pensar
quando as fotos dão nas telhas...

-Se achegue,venha até nós,
ô seu menino Marquinhos,
sacuda todos os pós ,
descalce seus chinelinhos,
desate nossos cipós,
sente com seus amiguinhos...

-Óia Marco,vou lhe contar,
a histórias das minhas dores,
meu pigarro vai roncar,
mais cê num é que nem dotores,
nos calos,não vai pisar,
vai é cantar com cantores...

-Entre na roda dos versos,
que ocê também toca viola,
esquece os homes perversos
-sei que trouxe na sacola
uns apetrechos diversos
que não lhe deram na escola...

-Com pinga,molhe a garganta,
que o povo todo quer ver,
quer ouvir a voz que planta
a verdade em cada ser
com cada foto que canta...

Se um oferece um banquinho,
puxam-lhe a manga os meninos,
a patroa faz cafezinho,
até mesmo os mais sovinos
sorriem como carinho...

E ele fica,bem contente,
vai ficando,vai ficando...
Tenho de parar,ô gente,
de comentar,vou parando,
senão,só paro,na frente...

Aplaudo aqui,esse amigo,
que a roupa do pobre veste,
que é testemunha de umbigo,
que vai parar num agreste,
fotografar o que digo,
por mais que o sol a tez creste...

Marco:pode ser que depois melhore o cordelzinho,mas fiz direto na telinha e para dar vazão à alegria de ver mais um HUS MANOS(*),querendo sempre ser sua mana,meu irmão!
Meio de brincadeira,mas com muita seriedade,aí vai...


Clevane pessoa de araújo Lopes

(*)Hus manus:Poster Virtual de Llobus,que além de fotógrafo, é webmaster.

Claudio Márcio Barbosa




O artista
ferozmente
degustou sua arte.
A arte
sensivelmente
devorou seu artista.


Claudio Márcio Barbosa-Cônsul de Poetas del Mundo-Ipiranga,em Belo Horizonte, MG(belorizontino,produtor cultural,diretor da CLAMA PRODUÇÕES.Especializado em poemetos,é um filósofo de seu tempo).Idealizador de vários Moviementos Culturais, coordena agora o Paz e poesia.É voluntário e treinador do Alô Vida, ONG de ajuda a desesperados, por telefone.O restaurante de sua família, D.Preta, é um point para artistas e poetas, no Bairro Ipiranga.

Rogerio Salgado e Virgilene Araujo-Desilhados




Estamos longe de ser
santos ou deuses.
Somos uma ilha
cercada de seres humanos
por todos os lados.
Semelhantes centelhas.
Tolice é ignorar.

Marco Llobus-A Forja



Foto:Llobus em sarau aberto (Belo Horizonte,MG,Brasil:Poesia na Praça sete",evento organizado por Rogério Salgado e Virgilene Araújo, Bilá Bernardes )

A FORJA

forja de forjador
ardente alma de meu povo
canta 'arapongando'
o ritmo sagrado das cancelas
abrindo picadas
sobre o leito vermelho das faces...
e o tempo
-apenas cumpri o destino
desatinando rios e seus novos filhos.

Marcos Llobus é Cônsul de Poetas del Mundo em Belo Horizonte, preside a extensa Rede Catitu sócio-cultural e fotografa as poetas selecionadas para nosso projeto Poiteisas,que foi aporvado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

O poeta,segundo ele mesmo:

(...)Muitas coisas fiz. Poesia, conto, musica, artes plásticas [do barro ao oleo, da madeira a instalação], cinema, fotografia, pesquisa cultural, arte digital. Muita coisa tem que ser feita.

"Sou um dos criadores do sarau de poesia da Lagoa do Nado [hoje com sete anos de existência], fui um dos criadores do Sarau Uivos da Noite [centro cultural São Bernardo]. Coordenardor do projeto Varal de poesias - Projeto Arena [Secretaria Municipal de Cultural de Belo Horizonte - Setor Região Norte]. Delegado cultural da região norte de Belo Horizonte. Gestor dos projetos culturais [ONG IBEIDS - FAT]. Gestor dos projetos primeiro emprego [ligados ao cinema - Centro de Referencia Audio visual]. Diretor administrativo - Associação Cultural e Ecologica Lagoa do Nado. Administrador do Centro Cultural São Bernardo [Fundação Municipal de Cultura]. Presidente da Ong - Rede Catitu - Pesquisa e defesa dos patrimonios imateriais e manisfestações populares. Participei das principais antologias de poesia produzidas na cidade de Belo Horizonte, tais como: Arena, Uai Poético, Oise, Achamento de Portugal. Sou especialista em elaboração de projetos culturais"

fonte:Poetas del Mundo-http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=2535

ricardo evangelista,avó preta




Foto:Ricardo e Sueli no evento anual do UNIAC,"Cultura em Movimento", que acontece em belo Horizonte(Parque Municipal)
AVÓ PRETA


Ao ser perguntada
sobre o que esperava da vida
bem -humorada,a avó preta
assim respondia:
-Só quero sombra e água fresca
batina larga,
e uma jornal sem letra


Ricardo Evangelista, autor de Mojepotara ,Embornal de Sons e , com Sueli Silva, do Cd "Poetas Quase sera tamen", nome de seu show, onde conta causos e diz poemas , canta com ela, cantante e compositora.
Sociólogo, Ricardo Evangelista pesquisa há um bom tempo o Movineto dos tropeiros em Minas Gerais e o recria com o nome de TROPEIRISMO CULTURAL.
POETAS QUAE SERA TAMEN é uma clara alusão ao dístico da bandeira do estado de MG, cunhado pelos inconfidentes (Libertas Quae Sera tamen, que popularmente, é traduzido do Latim como "Liberdade, Ainda Que Tardia")